Ficha Corrida

03/12/2013

Contra governo, vale até torcida por aumento maior nos combustíveis

Filed under: Grupos Mafiomidiáticos,Inflação,Petróleo,Petrobrax,Petrobrás — Gilmar Crestani @ 7:31 am
Tags:

Felizmente, FHC não conseguiu transformar a Petrobrás em Petrobrax. Não fosse do governo, e o preço dos combustíveis subiriam quando a petrolíferas gostariam que subisse. E aí também valeria aumentos para prejudicarem a população e desgastar o governo. Assim, a empresa continua sendo da União. E com ações na bolsa. Quem compra ações pode enriquecer, mas é um risco, pois também pode perder dinheiro. Quem compra, sabe. Quem não compra, também sabe. Querer que o governo aumente o preço dos combustíveis para que os compraram ações da Petrobrás tenham lucro e, de lambuja, jogar a inflação nas alturas com a desculpa do aumento dos combustíveis, é coisa que interessa a políticos que queiram ver a popularidade da Dilma caindo. De que adianta a torcida por um cenário ruim, se a cada torcida aumenta a popularidade da Dilma e piora a dos seus urubus? Querem investimento de risco… sem risco!

E assim se sabe de que lado a Folha está! Do quanto pior melhor…

Ações da Petrobras despencam até 10% após decepção com reajuste

Foi o maior tombo desde a crise de 2008; analistas veem falta de clareza na política de preços

Ministro Guido Mantega diz que governo pode voltar a cobrar Cide se inflação voltar a patamar ‘confortável’

VALDO CRUZDE BRASÍLIAANDERSON FIGODE SÃO PAULO

As ações da Petrobras despencaram até 10% ontem após a decepção com o reajuste de 4% da gasolina, considerado insuficiente, e com a falta de detalhes sobre a política de preços da estatal.

Os papéis mais negociados (preferenciais, sem voto) fecharam em queda de 9,21% (R$ 17,36), e os ordinários (com voto) caíram 10,37% (R$ 16,42). Foi a maior perda diária de ambos os papéis desde 12 de novembro de 2008, auge da crise nos EUA, quando recuaram 13% cada um.

Juntas, as ações respondem por 12% do Ibovespa, termômetro dos negócios com ações no país. O índice fechou com queda de 2,36% –a maior desde 30 de setembro.

Na sexta, a Petrobras anunciou um aumento de 4% para gasolina e de 8% para o diesel nas refinarias. Nos postos, a expectativa é que o aumento fique entre 2% e 2,5%.

A estatal anunciou que não divulgará os critérios de reajuste, mas disse que o modelo irá garantir a "convergência dos preços internacionais dos combustíveis ao mercado doméstico".

ESTATAL PREJUDICADA

Representantes de petroleiras presentes ontem ao Palácio do Planalto para a cerimônia de assinatura do contrato de exploração do campo de Libra disseram à Folha que a Petrobras foi prejudicada pelas decisões recentes do governo.

Segundo eles, tanto o percentual, que ficou abaixo do reivindicado pela estatal, como a suposta nova metodologia de cálculo dos aumentos significaram, na prática, um derrota para a estatal.

Na avaliação do setor, a criação de uma "nova política de preços", como foi divulgado na sexta, pareceu mais uma forma de reduzir o desgaste da Petrobras na disputa com o Ministério da Fazenda, que era contrário a qualquer reajuste automático da gasolina e do diesel, por temer efeitos na inflação.

Analistas reclamaram da falta de transparência sobre a "nova política", que não acaba com o poder da Fazenda sobre o reajuste.

A expectativa do mercado é que, pelo menos no ano da eleição, a definição dos preços fique sob controle total da equipe econômica.

A equipe de análise do Citigroup rebaixou a recomendação às ações da estatal de compra para neutra, ressaltando que o reajuste veio menor do que eles projetavam.

O mercado ficou também frustrado com a falta de detalhes sobre o acordo entre a empresa e o governo. "Foi perdida a chance de mudar a falta de clareza nas decisões da empresa", diz Luana Helsinger, analista do GBM.

Segundo o analista-chefe da XP Investimentos, William Alves, "a companhia permanecerá sendo afetada, destruindo valor para os acionistas". O reajuste também não agradou ao BTG Pactual: "Não sabemos se esse é um sinal do tamanho médio das altas dos preços no futuro", disseram Gustavo Gattass e Stefan Weskott, em relatório.

TRIBUTO DE VOLTA

O ministro Guido Mantega disse ontem que o reajuste de 4% foi insuficiente, mas que a gasolina teve alta de cerca de 30% desde 2011, ante 15% de inflação no período.

"Ninguém mais do que eu gostaria que a Petrobras tivesse um lucro maior. Ela paga muito Imposto de Renda [além de dividendos]", disse.

Mantega disse ainda que o governo pretende retomar a cobrança da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico em 2014, assim que a inflação estiver em um "patamar mais confortável".

Colaborou TONI SCIARRETTA, de São Paulo

1 Comentário »

  1. […] See on fichacorrida.wordpress.com […]

    Pingback por Contra governo, vale até torcida por aumento maior nos combustíveis | EVS NOTÍCIAS. — 03/12/2013 @ 6:41 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: