Ficha Corrida

25/10/2013

Ainda faltam 18 min. no JN e capa na revista da inVEJA

Lobistas ajudaram a obter contratos em SP, diz e-mail

Executivos da multinacional Alstom viam pagamento como ‘investimento’

Mensagens obtidas na Suíça indicam que consultor recebeu para aproximar empresa de governos tucanos

FLÁVIO FERREIRAJOSÉ ERNESTO CREDENDIOMARIO CESAR CARVALHODE SÃO PAULO

E-mails obtidos pelo Ministério Público da Suíça revelam que a multinacional francesa Alstom usou lobistas, suspeitos de intermediar o pagamento de propina a funcionários do governo de São Paulo, para aproximar a empresa de autoridades e obter contratos com o Metrô e a CPTM.

Propina era "investimento", de acordo com uma mensagem trocada entre executivos da Alstom em abril de 2004. A avaliação foi de que esse investimento foi "lucrativo" para a Alstom da França "sob muitos aspectos".

Segundo um dos e-mails, que foram enviados ao Ministério Público no Brasil, a conquista dos contratos pela Alstom "demandou um lobby muito forte e específico para resgatar a credibilidade necessária em face do Metrô de São Paulo e das autoridades estaduais de São Paulo".

A mensagem diz que houve uma decisão administrativa de contratar "agentes" para esses projetos, por meio da matriz da Alstom na França.

A comunicação das autoridades suíças ao Brasil relata que o e-mail menciona contrato assinado pela Alstom com a Gantown, empresa controlada por Arthur Teixeira e Sérgio Teixeira com sede no Uruguai.

Eles são os lobistas contratados pela Alstom e fizeram depósitos de US$ 836 mil (R$ 1,84 milhão) na conta de João Roberto Zaniboni, ex-diretor da CPTM. Para os suíços, trata-se de suborno.

Ontem, o jornal "O Estado de S. Paulo" revelou que um ex-presidente da Alstom, José Luiz Alquéres, recomendou em e-mail de novembro de 2004 a contratação do lobista Arthur Teixeira para obter negócios com o Estado.

Ao incentivar seus executivos a buscar contratos com o governo, Alquéres cita na mensagem o governador Geraldo Alckmin e o então prefeito José Serra, ambos do PSDB. Alckmin e Serra negam relações ilícitas com a Alstom. Alquéres disse à Folha que a Alstom nunca pagou propina em sua gestão.

Segundo Alquéres relata no e-mail, os tucanos teriam participado das negociações que levaram à reabertura de uma antiga unidade da Mafersa na Lapa (zona oeste) como uma fábrica da Alstom.

À época, a Alstom buscava transformar sua unidade de transporte num negócio de porte e enfrentava dificuldades. Nos oito primeiros meses de 2004, só 11% das metas haviam sido alcançadas.

Os e-mails da multinacional francesa obtidos pela Suíça citam dois negócios que depois foram fechados com o Metrô e a CPTM.

Um dos alvos do lobby foi a venda de 12 trens para a CPTM por R$ 223 milhões, em 2005. O negócio foi assinado no dia 28 de dezembro daquele ano. Para que a compra fosse feita sem nova licitação, a diretoria da CPTM retomou um contrato de 1995 que tinha acabado.

A operação foi considerada irregular pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado).

As suspeitas de irregularidades nessa contratação levaram o Ministério Público a apresentar uma ação de improbidade contra o presidente da CPTM à época, Mario Bandeira, e outros então diretores da companhia.

Em 2007, o Metrô comprou 16 trens da Alstom por cerca de R$ 609 milhões usando um contrato de 1992.

Não foi a Alstom que ganhou a concorrência original, mas a Mafersa.

EDITORIAIS

editoriais@uol.com.br

As trilhas do cartel

Documentos vindos da Suíça acentuam suspeitas de corrupção nas licitações de metrô e trens de São Paulo durante gestões do PSDB

Vêm da Suíça, e não pela primeira vez, documentos capazes de acentuar as suspeitas que recaem sobre sucessivas administrações do PSDB em São Paulo. O Estado, governado pelos tucanos desde 1995, teria hospedado um esquema milionário para burlar licitações de metrô e trens da CPTM.

O escândalo foi reavivado pela empresa alemã Siemens, uma das partícipes da fraude. Conforme esta Folha noticiou em 14 de julho, a companhia, em troca de imunidade, delatou às autoridades brasileiras a existência do cartel –criado, como sempre, para eliminar a concorrência e, assim, aumentar os preços cobrados pelos serviços.

Entre as multinacionais envolvidas estaria a francesa Alstom, ela própria alvo de investigações pelo alegado pagamento de propinas em diversos países.

Até aqui sem provas do envolvimento de políticos no caso paulista, as apurações avançam em torno de personagens que, obscuras para o grande público, têm sua importância cada vez mais reconhecida pelos investigadores.

Uma das peças centrais parece ser o lobista Arthur Teixeira. Em agosto, soube-se que seu nome aparecia em documentos da Siemens como participante das negociações de contratos de manutenção de trens.

Na semana passada, Teixeira voltou ao noticiário. Dessa vez, implicado no pagamento de US$ 836 mil (cerca de R$ 1,8 milhão) que, segundo o Ministério Público, foi feito pela Alstom ao ex-diretor da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) João Roberto Zaniboni. Tal afirmação baseou-se em documentos enviados ao Brasil por autoridades suíças.

Há mais na papelada helvética. Como informou o jornal "O Estado de S. Paulo", entre os documentos está um e-mail, de 18 de novembro de 2004, no qual o então presidente da Alstom no Brasil, José Luiz Alquéres, recomendou "enfaticamente" a diretores da empresa que buscassem Teixeira para desenvolver negócios em São Paulo.

Alquéres também teria afirmado que tinha "longo histórico de cooperação com as autoridades do Estado" e que apoiou pessoalmente "amigos políticos no governo". À época, Geraldo Alckmin era o governador, e José Serra acabara de eleger-se prefeito da capital.

Ao ser questionado, Alckmin afirmou ontem que a corregedoria e a controladoria do Estado têm a recomendação de investigar o caso, "doa a quem doer".

É o mínimo que se espera, dado o tamanho do prejuízo que a corrupção pode ter causado aos cofres públicos. Mas não deixa de ser curioso que, por enquanto, o maior empenho venha de um país que pouco tem a ver com a história.

1 Comentário »

  1. […] See on fichacorrida.wordpress.com […]

    Pingback por Ainda faltam 18 min. no JN e capa na revista da inVEJA | EVS NOTÍCIAS. — 25/10/2013 @ 6:43 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: