Ficha Corrida

03/10/2013

Se tiver político suspeito, se aparecer o partido na manchete, só pode ser petista

Filed under: DEMo,Folha de São Paulo,Grupos Mafiomidiáticos,PIG,PSDB — Gilmar Crestani @ 8:48 am
Tags:

Manchetes previsíveis dos grupos mafiomidiáticos a$$oCIAdos ao Instituto Millenium. Se houver alguma investigação envolvendo políticos aliados ao partido da Judith Brito, ou a Folha esconde o político, como fez a Folha com Andrea Matarazzo, ou escondem o partido, com faz sempre que há alguém do PSDB, DEM. Quando a investigação tem a ver com alguém do PT ou mesmo da base aliada, até o nome de Lula aparece na berlinda. Por que tanta discriminação? Será que eles pensam que todo mundo é boçal como seus amestrados?

PF associa três deputados a grupo suspeito de fraudes

Parlamentares teriam ligação com doleiro investigado por lavagem de dinheiro

Agenda e ligações telefônicas indicam pagamento de comissão a congressista tucano; caso é remetido ao STF

FERNANDA ODILLAFILIPE COUTINHODE BRASÍLIA

A Polícia Federal pediu ao STF (Supremo Tribunal Federal) que abra uma investigação para apurar o possível envolvimento de deputados federais com o esquema de lavagem de dinheiro e desvio de recursos de fundos de pensão desbaratado na Operação Miqueias.

Waldir Maranhão (PP-MA), David Alcolumbre (DEM-AP) e Eduardo Gomes (PSDB-TO) são acusados pela PF de manter algum tipo de relação com o doleiro Fayed Traboulsi, suspeito de comandar o esquema que teria desviado cerca de R$ 50 milhões.

As investigações apontam que a quadrilha oferecia vantagens indevidas a prefeitos e gestores de previdências municipais para que eles investissem em fundos suspeitos. Segundo a polícia, a organização usava modelos para atrair políticos para o esquema.

Os parlamentares citados negam envolvimento com o esquema investigado pela PF.

O tucano Eduardo Gomes está de licença da Câmara e atualmente ocupa a Secretaria de Esporte do Tocantins.

Além de conversas telefônicas de alguns congressistas com integrantes da quadrilha, a PF identificou valores lançados numa agenda de Traboulsi, o que levantou a suspeita de um suposto pagamento de comissão a Gomes.

"De fato, variados diálogos interceptados indicam um estreito vínculo dos líderes da organização criminosa com prefeitos. Em vários áudios ficou evidente que o local onde funciona a Invista Investimentos é constantemente frequentado por gestores municipais", diz o relatório da PF ao mencionar uma conversa entre Gomes e o doleiro.

No diálogo, gravado em outubro de 2012, Gomes avisa que já está chegando e que o prefeito de uma cidade do interior de Tocantins está indo em outro carro.

Apesar de destacar que, até agora, os deputados "em momento algum assumiram a posição de investigados", a PF identificou "provas" que "apontam para o possível envolvimento desses parlamentares federais com os objetivos da organização investigada", nas palavras do desembargador Cândido Ribeiro, do Tribunal Regional Federal.

Por isso, o TRF da 1ª Região determinou a remessa imediata das investigações ao STF para que o tribunal decida sobre abrir ou não a investigação em relação aos políticos, que têm foro privilegiado.

A decisão do desembargador surpreendeu tanto os policiais quanto o Ministério Público Federal, que apostavam no desmembramento da operação.

Ou seja, só seria enviada ao STF a parte referente aos deputados federais.

Além dos três deputados, há suspeita de participação de pelo menos um governador, cujo nome é mantido sob sigilo pela PF, prefeitos e servidores públicos no esquema.

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: