Ficha Corrida

31/08/2013

ProfeCIA: Pibão ou PIB bão!?

Filed under: Economia,PIBe,Pibinho,Profecias — Gilmar Crestani @ 10:55 am
Tags:

profeCIAsO PIB (só) surpreendeu o PIG mas não a quem o finanCIA! Mas os economistas de plantão no PIG, que venderam a quebra do Brasil quebraram a cara, mas não o bolso. Vira-bostas e vira-latas encontram-se em depressão profunda..

PIB surpreende e cresce 1,5% no 2º tri

Puxado por indústria e investimentos, resultado interrompe nove trimestres seguidos de variações inferiores a 1%

Insegurança de empresários e alta do dólar, porém, podem levar a crescimento menor no 2º semestre

GUSTAVO PATUENVIADO ESPECIAL AO RIOPEDRO SOARESDO RIO

A economia brasileira finalmente deu um sinal de vitalidade ao mostrar crescimento, no segundo trimestre do ano, superior às expectativas mais otimistas do mercado e do governo.

Mas, ainda que amenize o pessimismo até então crescente entre analistas e investidores, o resultado está longe de encorajar apostas em uma melhora mais vigorosa daqui para a frente.

Conforme as contas divulgadas ontem pelo IBGE, a expansão da produção e da renda do país –ou, em economês, do Produto Interno Bruto– chegou a 1,5% entre abril e junho, na comparação com os três meses anteriores.

Trata-se de uma taxa que, se tivesse continuidade, proporcionaria um crescimento de 6% ao ano, quase o triplo do esperado para 2013 pela maior parte do mercado.

Foi interrompido o mais longo ciclo de declínio e estagnação desde o Plano Real: a economia começou a desacelerar no segundo semestre de 2010 e, no governo Dilma Rousseff, já colecionava nove trimestres consecutivos de variações inferiores a 1%.

Melhor ainda, o salto trimestral foi puxado pela indústria, o setor mais abalado pela crise econômica internacional, e pelos investimentos, os gastos destinados à ampliação da capacidade produtiva do país.

Depois de encolherem em 2012 a despeito de sucessivos pacotes oficiais de estímulo, os investimentos já acumulam alta de 6% neste ano, bem superior aos 2,2% do consumo das famílias.

Os números espelham os objetivos da política econômica: quando o consumo cresce mais que a capacidade nacional de produzir bens e serviços, há pressão sobre os preços –o que ajuda a explicar a alta da inflação.

"A expectativa de um novo padrão de crescimento da economia brasileira baseado nos investimentos ganha força", conforme análise publicada pelo Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial).

Houve ainda uma forte recuperação da agropecuária, que havia caído 2,3% no ano passado e acumula crescimento de 14,7% no ano. A contribuição só não foi maior porque o setor tem participação de apenas 5% no PIB.

PORÉNS

Justamente na indústria e nos investimentos, porém, estão os obstáculos mais visíveis à continuidade da aceleração da economia.

Os últimos dois meses foram de piora das expectativas em relação ao futuro. O índice de confiança da indústria, medido pela Fundação Getulio Vargas, caiu para o nível mais baixo desde julho de 2009, quando o país saía de uma recessão.

A incerteza cresceu com a valorização do dólar, que encarece os importados, dá novo impulso à inflação e pode obrigar o Banco Central a elevar mais os juros para conter o consumo e o investimento.

"Já há sinais de contração da indústria (que puxou o PIB do segundo trimestre pelo lado da oferta) e do investimento no início do terceiro trimestre", conforme relata boletim enviado pelo Itaú Unibanco a seus clientes.

À frente, o dólar mais alto tende a estimular as exportações e, consequentemente, a produção industrial. Mas o impacto inicial é negativo.

"A curto prazo, o câmbio atrapalha porque pressiona a inflação, e a resposta [do BC] será segurar o crescimento", diz Armando Castelar, economista da FGV.

PROJEÇÕES MODESTAS

Tudo considerado, as projeções para a expansão da economia neste ano e no próximo tendem a passar por uma ligeira elevação, mas continuarão modestas.

A estimativa do governo de 2,5% em 2013 ficou mais palpável –o Itaú, por exemplo, elevou a sua de 2,1% para 2,4%– e a de 4% em 2014 não é considerada realista por bancos e consultorias.

Uma das explicações é que, apesar da expansão deste ano, a taxa nacional de investimento não passou de 18,6% do PIB, ainda abaixo dos patamares de 2011 (18,8%) e 2010 (19,2%).

Pelo diagnóstico da própria equipe econômica no início do governo Dilma, uma taxa de 25% do PIB deve ser perseguida para sustentar um crescimento econômico vigoroso e duradouro.

1 Comentário »

  1. […] See on fichacorrida.wordpress.com […]

    Pingback por ProfeCIA: Pibão ou PIB bão!? | C O O LTURA — 31/08/2013 @ 9:23 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: