Ficha Corrida

06/02/2012

Cai_o Jr: o Grêmio tá subindo

Filed under: Grêmio,Grenal,Inter — Gilmar Crestani @ 9:53 am
Tags:

Melhor que o resultado foram as declarações. Além do árbitro, o Grêmio também contou com a sorte. Não é sempre que vai encontrar pela frente um time reserva, que nunca havia jogado junto, alguns sequer haviam vestido uma camisa profissional antes. Aliás, a maior força veio mesmo foi da mística camisa campeã de tudo. Quem veste, se sente grande, se espraia pelo campo, faz e acontece. Com o mistão de velhinhos da geriatria e os meninos da creche colorada, o Inter se impôs. Não fossem as caneladas dos pernas-de-pau e as rasteiras do seu Leandro Vudu, a sorte colorada teria sido outra.

Como diz o ditado, fogo morro acima, água morro abaixo e time ruim não há solução. O balança mas não cai ainda teve a ousadia de dizer que o time está subindo. Em breve chegará lá, mas o que os espera? No meio, o João XXIII; no topo, o São Miguel e Almas… O túmulo do futebol, amadrinhado pelo prof. Pardal, se encaminha para o zona dos cemitérios, onde, entra e sai ano, cria raízes profundas e teima em não sair.

Os de pijama até tentam, todo ano, mudarem de time. Contratam, buscam no celeiro de azes quem possa inspirar bom futebol, mas a sorte não lhes sorri. Como todo este esforço não traz bom futebol, agora resolveram botar a culpa no Olímpico. Verão, que uma Arena sozinha não faz… Não tem jeito mesmo, se há culpa neste simulacro de time que é o Grêmio, certamente que isso não passa pelo técnico, que é um verdadeiro prof. Pardal, lá isso  é,  nem pelos jogadores, que individualmente são muito bons, mas pelos dirigentes. Paulo Odone, um falastrão que só  promete e não cumpre, não seria nem gerente de funerária. Vive de promessas aos azuizinhos que não pode cumprir: Ronaldinho, Giuliano… Ao supervalorizar jogadores em fase inicial de negociação, desvaloriza os bronze da casa.

Duas revelações: o gladiador só bate em mulher. Quando vê homem pela frente, deixa cair a espada. E o Dátolo mantém a tradição dos argentinos, de não respeitar a casa dos azuizinhos. Gols já na estreia.

Zagueiro, de 4 e mão boba, quando vê Jô por trás, esquece a bola

Zagueiro, de 4 e mão boba, quando vê Jô por trás, esquece a bola

Victor Vapurub, com cara de porteiro de cemitério, tem mais um motivo para pedir aumento. D’Ale não é o único argentino que o assombra batendo de “surda”. É só ver um canhoto colorado que ele vaza por todos os poros. É, se for um argentino, então, se abre todo.

E pensar que os de pijama de presidiário sucumbiram ao poderio de fogo do trio já consagrado internacionalmente: Jackson, Mike e Fred… Só rindo!!

No final do jogo as torcidas também deixaram suas marcas:

A do Grêmio urrou a palavra mais usada para definir os mais diversos técnicos que passaram pela zona dos cemitérios nos últimos anos: buurrrooo!!!

E a do Inter, no eco, só apupava: Cai_ôh!  Cai_ôh!!!

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: