Ficha Corrida

25/04/2012

O corrupto é obra do corruptor

Filed under: Corrupção,Eliakim Araújo — Gilmar Crestani @ 6:45 am

 

A corrupção e o Buraco do Lume

Os cariocas um pouco mais velhos, digamos aí na casa dos quarenta  em diante hão de se lembrar do Buraco do Lume, uma imensa cratera aberta em pleno centro da cidade do Rio de Janeiro, onde uma outrora poderosa empresa do ramo imobiliário pretendia construir sua imponente sede.

Não o fez, quebrou antes. Mas o buraco ficou lá, aberto, durante anos, sujeito a lixo dos transeuntes e mosquitos transmissores de doença.  Até que algum administrador o tapou e,  por cima dele, realizou um trabalho de reurbanização.  Mas enquanto esteve aberto, o famoso buraco foi batizado pela irreverência carioca como o Buraco do Lume,  pertinho do Largo da Carioca, onde era a praça Melvin Jones, que virou praça Mario Lago, por proposta do verador petista Eliomar Coelho, na década de noventa.

Com certeza muita gente se lembra do buraco, mas pouca gente sabe o significado da palavra Lume, iniciais de Linaldo Uchoa Medeiros, dono da empresa de financiamento de imóveis Financilar, que reinou na époica do BNH, o Banco Nacional da Habitação.

Linaldo, pernambucano, foi para o Rio depois de ter feito o pé-de-meia – e que pé-de-meia – em sua terra.  Com o beneplácito do BNH, meteu-se em negociatas e acabou quebrando. Não sei que fim levou, mas certamente deve ter saído do negócio rico, leve e solto, como saem todos os golpistas de nosso amado Brasil.

Faço aqui um corte no texto, sem entretanto fugir do tema central,  para relembrar um dos maiores profissionais do jornalismo brasileiro, José Gonçalves Fontes, morto no ano 2000.  Fontes fez parte da época de ouro do Jornal do Brasil, onde trabalhou durante 37 anos.   Nesse período,  ganhou quatro prêmios Esso de Jornalismo,  além de dezenas de outras premiações.  Fritz Utzeri, outro nome daquela brilhante geração do JB,  garante que ele foi o jornalista mais premiado do Brasil.

O noticiário diuturno sobre a corrupção no alto escalão do governo, explorada de maneira insidiosa pela mídia de sempre, me trouxe à lembrança  uma das reportagens investigativas de Fontes,  publicada no JB, em 1976, em plena ditadura militar.  Essa era,  aliás, sua especialidade,  matérias de fôlego que lhe tomavam dias, até meses de trabalho,  na busca da informação precisa e inédita.

Sob o título “Grupo Lume – Um império em desencanto”,    Fontes pesquisou minuciosamente a origem e a ascensão do empresário Linaldo Uchoa Medeiros.

Linaldo era dono da Financilar,  uma das muitas empresas que surgiram no mercado imobiliário, a partir da criação do falecido Banco Nacional da Habitação,  um banco que deveria ajudar a resolver o deficit da casa própria para as camadas mais carentes da população, mas que, na verdade, só construía imóveis para a classe média alta.  Incapaz de cumprir seu objetivo principal e acusado de algumas operações duvidosas,  o BNH  acabou desativado e incorporado à Caixa Econômica.

Mas voltando à reportagem de José Gonçalves Fontes sobre o fundador do grupo Lume. Fontes descobriu em Pernambuco, o Estado de origem do empresário, algumas passagens do início de sua carreira de golpista.  Soube, por exemplo, que Linaldo se aproximava de um funcionário influente da Caixa Econômica e propunha-lhe uma aposta nos seguintes termos:

- Aposto um Galaxie como esse financiamento que estou pleiteando não vai sair.

Não é preciso ser muito inteligente para concluir que o funcionário ganhava o Galáxie (o carro mais luxuoso da época) e o financiamento saia.   E assim desabrochava a carreira do empresário pernambucano que logo depois desembarcava no Rio para tentar conquistar a cidade maravilhosa.

Como Linaldo, quantos novos empresários entram todo ano no mercado usando estratégias desonestas como essa?  Taí uma pequena e real história de como se corrompe um servidor público e a forma criativa de oferecer a propina. 

O relato de Fontes é dos anos 70 e, de lá para cá,  e desde tempos imemoriais,  a corrupção em todos os seus matizes jamais  deixou de frequentar o noticiário.  Ela não é privilégio de partidos ou governos, está impregnada na cultura de nossa gente.

Por acreditar que esse mal tem cura, é que saúdo a presidenta Dilma,  uma verdadeira campeã de audiência na batalha contra a corrupção, do alto dos seus 64 por cento de aprovação popular, o maior patamar já alcançado por outro presidente num período de quinze meses.

Eliakim AraujoAncorou o primeiro canal de notícias em língua portuguesa, a CBS Brasil. Foi âncora dos jornais da Globo, Manchete e do SBT e na Rádio JB foi Coordenador e titular de "O Jornal do Brasil Informa". Mora em Pembroke Pines, perto de Miami. Em parceria com Leila Cordeiro, possui uma produtora de vídeos jornalísticos e institucionais.

A corrupção e o Buraco do Lume | Direto da Redação – 10 anos

About these ads

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O tema Rubric. Blog no WordPress.com.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 583 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: